Créditos de imagem: Laura Tavares.

As festas em honra de São João, em Vila Franca do Campo, celebram 50 anos de existência e ontem o concelho foi palco de artistas regionais e nacionais, como os The Code, Carolina Deslandes e Valete.

Um público variado e paciente, muita música e boa disposição marcaram o arranque dos concertos nas festas, anteriormente, referidas. Não obstante o atraso de cerca de duas horas, o público manteve-se pacífico, esperando pelo concerto da banda The Code que, atuou, pela primeira vez, nas festas de São João.

Marisa Oliveira

“É a primeira vez que atuamos aqui e ficamos fascinados com o convite. Era impossível recusar. Felizmente, não coincidiu com outras datas porque estamos com a agenda muito cheia, o que é ótimo. Esta noite iremos apresentar todos os nossos originais, inclusive alguns que ainda não têm videoclipe nem gravação em estúdio”, garantiu Marisa Oliveira, vocalista dos The Code.

The Code

Nos Estados Unidos da América, os The Code destacaram-se, recentemente, no International Portuguese Music Awards, onde venceram o ‘Melhor Tema Rock’ e o ‘Melhor Tema do Ano’ com ‘Fly Higher’. “Eu nem tenho explicação. Só estar nomeado já é uma vitória e nós nem queríamos acreditar. Demos gritos e ficamos roucos [risos]”, frisou a vocalista da banda regional.

Carolina Deslandes regressou, pela segunda vez, a São Miguel, ilha que considerou ser “incrível” não só pela paisagem, como pela população. A artista elogiou os micaelenses, salientado que “as pessoas são muito queridas e perdem tempo para nos fazer sentir bem, seja no jantar, no hotel ou na rua. As pessoas gostam de nos acolher bem e acho isso incrível”.

Carolina Deslandes

A estreia da cantora em Vila Franca do Campo foi positiva, uma vez que o público “esteve muito recetivo, tinha um mar de gente. Fico contente por fazer parte de um leque de artistas tão talentosos e correu muito bem!”. No que respeita a expectativas futuras, a artista adiantou desejar “esgotar os coliseus, apresentar mais discos e gostar de ficar por mais anos na música”.

No âmbito do hip-hop surgiu Valete que regressou à ilha pela segunda vez. “Irei apresentar uma mescla de músicas novas com antigas, com algumas surpresas”, afirmou o músico. Para a estreia no São João, Valete pretendeu “trazer uma energia positiva , tentar apresentar no palco a cultura hip-hop e dar energia e esperar recebê-la de volta”.

Valete

Valete descreveu a atuação no Festival Monte Verde, realizada no ano passado, como um dos “melhores concertos” que deu por ter corrido “muito bem” e o público ter dado “uma energia muito fixe”.

Nas festas de São João, o público é diverso, englobando crianças, jovens e adultos. Para alguns é já “tradição” ir ao evento. É caso da jovem vilafranquense Daniela Costa que frequenta as festas desde tenra idade. “Venho cá desde que me lembro e adoro assistir às marchas, apesar de não participar. O que me atraiu aqui hoje foi o concerto da Carolina Deslandes. Gosto muito do trabalho dela!”, explicou.

Daniela Costa

Sob expectativas de “muita diversão, convívio e música”, o jovem Pedro Santos assistiu, como sempre, a mais uma edição do São João da Vila. “Não perco uma edição! Cresci aqui, adoro as marchas e vou participar de novo [risos]. Quero muito ouvir a Carolina Deslandes”, disse.

Pedro Santos

O que para uns é costume, para outros é novidade. Assim, são muitos os jovens que, pela primeira vez, assistiram às celebrações de São João. É neste contexto que surge o jovem José Silva, natural dos Ginetes. “Este é o meu primeiro ano aqui. Este evento sempre me atraiu, muita gente falava destas festas e isso despertou-me interesse. Estou inquieto para ver o Valete!”, confessou.

José Santos

A noite de 15 de junho, em Vila Franca do Campo, ficou, assim, marcada pela presença de artistas regionais e nacionais e por um público paciente e fortemente recetivo.