Créditos de imagem: Google Imagens.

Em pleno século XXI as sociedades ainda não se encontram 100% preparadas para a emergência das práticas de beleza e cuidados por parte dos homens. Estes quando demonstram algum interesse ou partilham os seus gostos por esta arte, são considerados/chamados todo e qualquer tipo de nome, exceto HOMEMS. Se pararmos para pensar, a grande maioria das marcas de cosméticos e produtos de beleza em geral, foram fundadas por homens e porque é que estes HOMENS por serem HOMENS, não as podem utilizar?

A emergência do sexo masculino face ao mundo considerado “apenas FEMENINO” tem sido de grande luta pela igualdade e pela superação de todos os estereótipos envolventes. Hoje, é possível ver e admirar youtubers, instablogers, entre outros, por toda a internet, a trabalharem para mudar a visão do mundo quanto a estes conceitos, em nome de todos os que ainda não conseguem tomar uma atitude perante a sociedade.

Alguns destes homens, que possivelmente já ouviste falar, são Jeffree Star que hoje é um empresário de sucesso que desenvolveu a sua própria linha de maquilhagem; Manny MUA que partilha vídeos de maquilhagem e reviews de produtos de beleza no seu youtube e instagram; James Charles maquilhador que foi o primeiro HOMEM a ser embaixador de uma marca de cosméticos como a CoverGirl; Patrick Starr que foi não só o primeiro homem, como também o primeiro influenciador digital a desenvolver uma linha de maquilhagem, como a MAC cosmetics, e a lista continua.

Não só estas personalidades referidas, como muitos outros HOMENS por todo o mundo, recebem críticas constantes e olhares desdenhados por parte de quem ainda não consegue olhar para a vida de forma livre.

“A liberdade de cada um termina onde começa a liberdade do outro” – Spencer. O ser humano é livre, tem vontade própria, tem necessidade de satisfazer as suas necessidades e não vejo de que forma é que um homem, demonstrando ao mundo o seu verdadeiro eu, está interferindo negativamente na vida de outra pessoa. Sim, eu acredito que a maquilhagem é para ELA e para ELE e que cada qual é um ser único e livre de tomar as decisões mais apropriada para o seu bem-estar. NÓS, sociedade global, devemos de aceitar e aproveitar o melhor de cada um para fazer deste mundo um lugar melhor, uma vez que já nos deparamos constantemente com situações de instabilidade política, guerra, fome, pobreza, para quê torna-lo ainda pior com estas mesquinhices?

 

Texto da autoria de Laura Melissa, jovem de 21 anos. Natural de São Miguel, Laura estuda Turismo na Universidade dos Açores e dedica-se à maquilhagem nos seus tempos livres.